Seguidores

Pesquisar este blog

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

São Jerônimo - 30 de Setembro


Estamos para findar o mês da Bíblia, setembro. E no final deste mês comemoramos o grande patrono das traduções bíblicas, que é São Jerônimo, cujo nome quer dizer "nome sagrado". Nasceu na Dalmácia, antiga Iugoslávia, em 342. Seus pais eram ricos e puderam mandá-lo para Roma realizar seus estudos. Ele morreu a 30 de setembro de 420.

Após seu encontro com o mundo cristão, Jerônimo logo percebeu que as traduções da Bíblia, em seu tempo, eram imperfeitas na linguagem e cheia de imprecisões. Iniciou, então, o seu trabalho de tradução dos textos em hebraico e grego para o latim, o que foi magnífico naquela época. Tradução que foi realizada com muita elegância, feita por completo, traduzindo todo o texto das Sagradas Escrituras do Gênesis ao Apocalipse.

A sua preocupação não era um texto erudito, para professores e sábios, mas queria atingir o povo simples. Um texto enxuto para os simples. Daí o nome de sua tradução "VULGATA", ou seja, vulgar, do povo, para pessoas comuns.

A tradução foi de tão grande magnitude a ponto de o seu texto ser utilizado em toda a Igreja Católica durante 15 séculos ininterruptos. Somente nos últimos anos, com a valorização da leitura e dos estudos bíblicos, novas traduções surgiram.

Num trecho famoso – comentário sobre Isaías e usado no oficio das leituras na memória de São Jerônimo – ele afirma, com a firmeza de suas convicções, que “ignoratio Scripturarum, ignoratio Christi est”, isto é, “a ignorância da Escritura é a ignorância de Cristo”. Sem dúvida, uma forte exortação de um Padre e Doutor da Igreja para os cristãos não só do seu tempo, mas, sobretudo, nos dias de hoje.

O estudo sério da Sagrada Escritura é uma necessidade e não um opcional para o católico que quer viver com seriedade e convicção a sua fé. São Jerônimo encontrou o caminho de sua vida na Bíblia. Graças a ele, muitos hoje podem voltar também o seu olhar para a Palavra de Deus, na qual podem encontrar a plena felicidade, impossível de alcançar na simples realidade humana. Mas que felicidade? Jesus Cristo, o Ressuscitado, cuja Palavra é Ele mesmo.

Só amamos o Cristo se O conhecemos, e O amamos como Verdade, Caminho e Vida! Verdade que encontramos nos Seus ensinamentos, algo que o escritor sagrado nos deixou, sobretudo, nos Evangelhos.

Caminho que o Senhor nos pede para seguir. Que nos encoraja a trilhar e que nos dá a Paz. Caminho traçado pelo Cristo: Paixão e Ressurreição, que ilumina nossas vidas, nossas ações e nossos relacionamentos. Caminho que nos traça, enfim, a nossa salvação.

E vida, que nos é apresentada na fonte da felicidade, que nos é apresentada no texto bíblico: a ressurreição de nossas vidas em Deus.

Este encontro com o Cristo na Bíblia vai nos facilitar esse encontro com Ele. Assim, Jesus é para nós, hoje, a Verdade na Bíblia, a Vida na Eucaristia e o Caminho que seguimos com os irmãos, tal como Ele nos ensinou. Lembremo-nos do Seu encontro com os viajantes em Emaús.

Portanto, o estudo bíblico é de fundamental e crucial importância para a nossa vida de fé. Algo que deve ter sido muito bem percebido por São Jerônimo. Porém, como ele, além do conhecimento e da erudição, o que nos faz santos é viver a Palavra de Deus, colocando-a em prática na vida de cada dia. Os santos fazem a diferença no mundo.

Não há amor verdadeiro e convicto se por nossa inteligência for ignorado. O amor cresce quando o conhecimento cresce. Isso é dado para a experiência humana, mas também se aplica à experiência espiritual.

Em resumo: não há conhecimento sem o amor de Cristo no estudo da Bíblia com Ele. Esta é a mensagem profunda São Jerônimo. O legado espiritual que esse grande santo da Igreja nos deixa é, por conseguinte, profundo e desafiador. Ele encontrou na Sagrada Escritura o seu fio condutor para Deus, a fonte e a raiz de sua caminhada de santidade.

O seu extremo zelo na tradução, o seu hercúleo trabalho desenvolvido ao longo de anos, a sua dedicação ao serviço da Palavra, concretizam-se na sua vida de fé e demonstram o seu imenso amor a Cristo e à Sua Igreja. Assim, também, irmãos e irmãs, não deveria ser a nossa caminhada cristã? Esta perspectiva de Jerônimo poderia servir para nosso itinerário de fé.

Dom Orani João Tempesta
Arcebispo Metrop. Rio de Janeiro

(Canção Nova)


São Jerônimo, rogai por nós!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Oração ao Santo Anjo

Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, se a ti me confiou a piedade divina, sempre me rege, guarda, governa e ilumina. Amém


Angele Dei


Angele Dei, qui custos es mei, me, tibi commíssum pietáte supérna, illúmina, custódi, rege et gubérna. Amen


(Indulgência parcial)


São Miguel, São Gabriel e São Rafael Arcanjos - 29 de Setembro


Miguel, nome hebraico que significa "Quem é como Deus?", é lembrado duas vezes no livro de Daniel como protetor particular do povo eleito (Dn 10, 13 e 12-1). A carta de são Judas (v.9) mostra-o em luta contra Satanás pelo corpo de Moisés. Também o Apocalipse (12,7) recorda o combate de Miguel e seus anjos contra o dragão. A liturgia dos mortos pede-lhe que acompanhe as almas. Muito venerado pelos judeus, cedo se tornou muito popular no culto cristão. O dia 29 de setembro é aniversário da dedicação de uma igreja a ele dedicada em Roma (séc V).


Gabriel, "força de Deus", apresentou-se a Zacarias como "aquele que está diante de Deus" (Lc 1,19). Levar o anúncio de Deus é a tarefa que lhe reconhece Daniel (8,16; 9,21): de fato, anunciou o nascimento de João Batista e o de Jesus Cristo (Lc 1, 5-22.26-38).


Rafael, "Deus curou", comparece no livro de Tobias como acompanhante do jovem Tobias em sua viagem e como portador de salvação do velho pai cego.

S. Lucas mostra muitas vezes a intervenção dos anjos nas origens da Igreja, porque com a vinda de Cristo está próximo do homem e o céu está unido à terra. Os anjos vêm de Deus, "enviando a serviço, para vantagem daqueles que devem ser salvos" (Hb 1,14).

Liturgia

Leitura Dn 7, 9-10.13-14 ou Ap 12, 7-12a
Leitura do Apocalipse de João
Houve uma batalha no céu: Miguel e seus anjos guerrearam contra o Dragão. O Dragão lutou juntamente com os seus anjos, mas foi derrotado, e não se encontrou mais o seu lugar no céu. E foi expulso o grande Dragão, a antiga Serpente, que é chamado Diabo e Satanás, o sedutor do mundo inteiro. Ele foi expulso para a terra, e os seus anjos foram expulsos com ele. Ouvi então uma voz forte no céu, proclamando: "Agora realizou-se a salvação, a força e a realeza do nosso Deus, e o poder do seu Cristo. Porque foi expulso o acusador dos nossos irmãos, aquele que os acusava dia e noite diante do nosso Deus. Eles venceram o Dragão pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu próprio testemunho, pois não se apegaram à vida, mesmo diante da morte. Por isso, alegra-te, ó céu, e todos os que viveis nele."
Palavra do Senhor.
Graças à Deus.

Salmo 137

R. Perante os vossos anjos vou cantar-vos, ó Senhor!

Ó Senhor, de coração eu vos dou graças,
porque ouvistes as palavras dos meus lábios!
Perante os vossos anjos vou cantar-vos
e ante o vosso templo vou prostrar-me. R

Eu agradeço vosso amor, vossa verdade,
porque fizestes muito mais que prometestes;
naquele dia em que gritei, vós me escutastes
e aumentastes o vigor da minha alma. R

Os reis de toda a terra hão de louvar-vos,
quando ouvirem, ó Senhor, vossa promessa.
Hão de cantar vossos caminhos e dirão:
"Como a glória do Senhor é grandiosa!" R

Evangelho Jo 1, 47-51
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João
Naquele tempo, Jesus viu Natanel que vinha para ele e comentou: "Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade". Natanael perguntou: "De onde me conheces?" Jesus respondeu: "Antes que Filipe te chamasse, enquanto estavas debaixo da figueira, eu te vi". Natanel respondeu: "Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel". Jesus disse: "Tu crês porque eu te disse: ´Eu te vi debaixo da figueira?´ Coisas maiores que está verás!" E Jesus continuou: "Em verdade, em verdade, eu vos digo: Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

(Missal Cotidiano)

Oração aos Arcanjos

São Gabriel com Maria,
São Rafael com Tobias,
São Miguel com todas as hierarquias,
abri para nós esta via.


São Gabriel, São Miguel e São Rafael, rogai por nós!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

São Vicente de Paulo - 27 de Setembro


Vicente, nascido perto dos Pirineus, ordenou-se padre aos dezenove anos para "fazer carreira". As provações da vida e do influxo do Card. de Bérulle e de São Francisco de Sales levaram "Monsieur Vincent" a voltar-se de corpo e alma a Cristo.
Foi pároco de Clichy (perto de Paris), diretor de numerosas obras na capital, onde influiu até na corte. Criou grupos de senhoras e homens (mesmo nobres) a serviço dos pobres. Assegurou assistência aos prisioneiros, às crianças abandonadas, aos miseráveis. Tentou acabar com a mendicância dos ociosos, mandando-os ao trabalho. Levou socorro às regiões desoladas pela fome e guerras.
A caridade de são Vicente dilatou-se a ponto de atingir dimensões universais.

Duas obras, sobretudo, são seus títulos de glória: o zelo pelas "missões" no meio rural, fundando para isto os Padres da Missão (Lazaristas), dedicados também à formação do clero; fundou também as Filhas da Caridade, com a colaboração de santa Luísa de Marillac, para atender às massas proletárias.


Durante sessenta anos, a França viu esse homem infatigável, dotado de grande fineza de espírito, rico de piedade simples e profunda.
Foi inspirador de muitíssimas obras que surgiram depois dele. Entre estas, por iniciativa de Frederico Ozanam (1813-1835), as Conferências de S. Vicente de Paulo, através das quais especialmente jovens se põem a visitar e socorrer os pobres a domicílio.

Liturgia

Leitura I Cor 1, 26-31
Salmo 111
Evangelho Mt 9, 35-38

(Missal Cotidiano)

Lazaristas: www.pbcm.org.br
Filhas da Caridade: www.filhasdacaridade.com.br
www. ssvpbrasil.org.br

São Vicente de Paulo, rogai por nós!

domingo, 26 de setembro de 2010

São Cosme e São Damião - 26 de Setembro


Populares no Ocidente e no Oriente, onde foram martirizados em época desconhecida, Cosme e Damião eram provavelmente médicos. De qualquer modo, foram considerados como tais depois de sua morte, pelo grande número de curas verificadas sobre seu túmulo.
26 de setembro é provavelmente o aniversário da dedicação da igreja a eles dedicada em Roma por Félix IV (525-530).
São considerados os Padroeiros dos farmacêuticos e dos médicos.

Liturgia

Leitura Sb 3, 1-9
Salmo 125
Evangelho Mt 10, 28-33

(Missal Cotidiano)

São Cosme e São Damião, rogai por nós!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

O Comportamento na Santa Missa e Depois

Vi esse texto e adorei.

Traduzido por Andrea Patrícia

Uma carta de Santo Padre Pio para Annita Rodote
Pietrelcina, 25 de julho de 1915

Amada filha de Jesus,

Que Jesus e nossa Mãe sempre sorriam em sua alma, obtendo disso, a partir de seu mais Santo Filho, todos os carismas celestiais!

Estou escrevendo para você por dois motivos: para responder mais algumas perguntas de sua última carta e, para lhe desejar um feliz dia no mais doce Jesus, cheio de todas as mais especiais graças celestiais. Oh! Se Jesus atender minhas orações por você ou, melhor ainda, se ao menos as minhas orações forem dignas de serem atendidas por Jesus! No entanto, aumentá-las-ei cem vezes para vossa consolação e salvação, suplicando a Jesus atendê-las, não para mim, mas através do coração de sua bondade paternal e infinita misericórdia.

A fim de evitar irreverências e imperfeições na casa de Deus, na igreja – que o divino Mestre chama de casa de oração -, exorto-vos no Senhor a praticar o seguinte.

Entre na igreja em silêncio e com grande respeito, considerando-se indigno de aparecer diante da Majestade do Senhor. Entre outras considerações piedosas, lembre-se que nossa alma é o templo de Deus e, como tal, devemos mantê-la pura e sem mácula diante de Deus e seus anjos. Fiquemos envergonhados por termos dado acesso ao diabo e suas armadilhas muitas vezes (com a sua sedução para o mundo, a sua pompa, seu chamado para a carne) por não sermos capazes de manter nossos corações puros e os nossos corpos castos; por termos permitido aos nossos inimigos insinuarem-se em nossos corações, profanando o templo de Deus que nos tornamos através do santo batismo.

Em seguida, pegue água benta e faça o sinal da cruz com cuidado e lentamente.

Assim que você estiver diante de Deus no Santíssimo Sacramento, faça uma genuflexão devotamente. Depois de ter encontrado o seu lugar, ajoelhe-se e renda o tributo de sua presença e devoção a Jesus no Santíssimo Sacramento. Confie todas as suas necessidades a Ele junto com as dos outros. Fale com Ele com abandono filial, dê livre curso ao seu coração e dê-Lhe total liberdade para trabalhar em você como ele achar melhor.

Ao assistir à Santa Missa e as funções sagradas, fique muito composta, quando em pé, ajoelhada e sentada, e realize todos os atos religiosos, com a maior devoção. Seja modesta no seu olhar, não vire a cabeça aqui e ali para ver quem entra e sai. Não ria, por respeito para com este santo lugar e também por respeito para aqueles que estão perto de você. Tente não falar com ninguém, exceto quando a caridade ou a estrita necessidade pedirem isso.

Se você rezar com os outros, diga as palavras da oração nitidamente, observe as pausas e nunca se apresse.

Em suma, comporte-se de tal maneira que todos os presentes sejam edificados, bem como, através de você, sejam instados a glorificar e amar o Pai celestial.

Ao sair da igreja, você deve estar recolhida e calma. Em primeiro lugar peça a permissão de Jesus no Santíssimo Sacramento; peça perdão pelas falhas cometidas em sua presença divina e não O deixe sem pedir e ter recebido a Sua bênção paterna.

Assim que estiver fora da igreja, seja como todo ser seguidor do Nazareno deveria ser. Acima de tudo, seja extremamente modesta em tudo, pois esta é a virtude que, mais do que qualquer outra, revela os sentimentos do coração. Nada representa um objeto mais fielmente ou claramente do que um espelho. Da mesma forma, nada mais amplamente representa as más ou as boas qualidades de uma alma do que a maior ou menor regulação do exterior, como quando alguém parece mais ou menos modesta. Você deve ser modesta em discurso, modesta no riso, modesta no seu porte, modesta ao caminhar. Tudo isso deve ser praticado, não por vaidade, a fim de mostrar a si mesma, nem com hipocrisia a fim de aparecer boa aos olhos dos outros, mas sim, pela força interna da modéstia, que regulamenta o funcionamento exterior do corpo.

Portanto, seja humilde de coração, circunspecta nas palavras, prudente em suas resoluções. Seja sempre econômica em sua fala, assídua na boa leitura, atenta em seu trabalho, modesta em sua conversa. Não seja desagradável com ninguém, mas seja benevolente para com todos e respeitosa para com os mais velhos. Que qualquer olhar sinistro fique longe de você, que nenhuma palavra ousada escape de seus lábios, que você nunca realize qualquer ação indecente ou de alguma forma gratuita; nunca especialmente uma ação gratuita ou um tom de voz petulante.

Em suma deixe que todo seu exterior seja uma imagem vívida da compostura de sua alma.

Sempre mantenha a modéstia do divino Mestre diante de seus olhos, como um exemplo; este Mestre que, segundo as palavras do Apóstolo aos Coríntios, colocou a modéstia de Jesus Cristo em pé de igualdade com a mansidão, que era a sua virtude particular e quase a sua característica: “Agora eu, Paulo, vos rogo, pela mansidão e humildade de Cristo” [Douay-Rheims, 2 Coríntios. 10:1], e de acordo com tal modelo perfeito reforme todas as suas operações externas, que devem ser reflexos fiéis revelando os afetos do seu interior.

Nunca se esqueça deste modelo divino, Annita. Tente ver uma certa majestade adorável em sua presença, uma certa agradável autoridade no seu modo de falar, uma certa agradável dignidade no andar, no contemplar, no falar, ao conversar; uma certa doce serenidade do rosto. Imagine aquela extremamente composta e doce expressão com a qual ele chamou a multidão, fazendo com que eles deixassem cidades e castelos, levando-os para as montanhas, as florestas, para a solidão e as praias desertas do mar, esquecendo totalmente da comida, da bebida e de seus deveres domésticos.

Assim, vamos tentar imitar, tanto quanto nos for possível, tais ações modestas e dignas. E vamos fazer o nosso melhor para ser, tanto quanto possível, semelhantes a Ele na terra, a fim de que possamos ser mais perfeitos e mais semelhantes a Ele por toda a eternidade na Jerusalém celeste.

Termino aqui, como eu sou incapaz de continuar, recomendando que você nunca se esqueça de mim diante de Jesus, especialmente durante esses dias de extrema aflição para mim. Espero que a mesma caridade da excelente Francesca para quem você vai ter a gentileza de dar, em meu nome, meus protestos de extremo interesse em vê-la crescer sempre mais no amor divino. Espero que ela me faça a caridade de fazer uma novena de Comunhões pelas minhas intenções.

Não se preocupe se você é incapaz de responder à minha carta no momento. Eu sei de tudo então não se preocupe.

Eu me despeço de você no ósculo santo do Senhor. Eu sou sempre seu servo.

Frei Pio, capuchinho

________________________ ________________________

Do volume III de Padre Pio’s Letters, “Correspondence with his Spiritual Daughters (1915-1923)” (Cartas de Padre Pio, “Correspondência com suas filhas espirituais” (1915-1923)

Primeira edição (versão em Inglês), Editor; Edizioni Padre Pio da Pietrelcina, Alessio Parente, OFM Cap., Editor Edizioni Padre Pio Pietrelcina da, Nossa Senhora do Convento dos Capuchinhos Grace, San Giovanni Rotondo, Itália, 1994, Traduzido por Geraldine Nolan, pp 88-92.

São Frei Pio de Pietrelcina - 23 de Setembro

"Jesus, meu alento, que hoje, de mãos trêmulas, elevo num mistério de amor, possa eu ser sempre para o mundo, unido a Vós, Caminho, Verdade e Vida. E que eu seja para Vós um sacerdote santo e vítima perfeita" (Pe. Pio - 14/08/1910)

Francesco Forgione, futuro Pe. Pio de Pietrelcina, nasceu em Pietrelcina, Província de Beneveto (Itália) no dia 25 de maio de 1887, filho de Maria Giuseppa da Nunzio e de Grazio Maria Forgione e foi batizado logo no dia seguinte, na Igreja Paroquial de Nossa Senhora dos Anjos, pelo pe. Nicolantonio Orlando (a quem sempre visitava).
Os pais de Padre Pio tiveram sete filhos, dos quais apenas cinco sobreviveram: Michele, Francesco, Pellegrina, Felicita e Graziella, que se tornou freira da Congregação de Santa Brígida, sob o nome de irmã Pia.
Desde sua infância, Francesco recebia graças divinas excepcionais, sem que ninguém à sua volta pudesse suspeitar.
Só muito mais tarde seu diretor espiritual, Padre Agostino de San Marco in Lamis, veio a declarar que as aparições e os êxtases de Padre Pio tiveram início quando ele contava apenas cinco anos de idade. Em 1915, Padre Agostino ao lhe perguntar o motivo de ter calado tudo isso, por tanto tempo, Padre Pio respondeu com a pureza que sempre caracterizou sua alma: "Eu pensava que isso acontecia com todo o mundo!"
No entanto, também desde os cinco anos, Padre Pio foi alvo dos ataques do demônio.
Padre Pio foi crismado no dia 27 de setembro de 1899 e tudo indica que tenha feito sua Primeira Comunhão nesta mesma data.
Finalmente chegou o momento de Francesco tomar uma decisão; foi quando comunicou aos seus pais que desejava ser sacerdote. Seu pai não hesitou em emigrar para a América Latina, para Buenos Aires, a fim de possibilitar a realização do ideal de seu filho e poder pagar seus estudos no Seminário. Os Forgione jamais se mostraram contrários à vocação de Francesco.
E em 06 de janeiro de 1903, lá se foi Francesco, com 15 anos de idade, para o Convento dos Padres Capuchinhos tendo recebido o nome de Frei Pio de Pietrelcina.
Foi ordenado sacerdote em Benevento a 10 de agosto de 1910 pelo Monsenhor Schinosi, na Catedral. No dia seguinte a sua ordenação, dia 11, Padre Pio celebrava a sua primeira Missa em Pietrelcina.
Em 1916 foi transferido para S. Giovani Rotondo na qualidade de assistente dos fradinhos e aí permaneceu até a morte, em 23 de setembro de 1968.

"O mundo pode passar sem o Sol, mas não pode passar sem a Santa Missa" (Pe. Pio)

Estigma na mão do Pe. Pio

Na manhã do dia 20 de setembro de 1915, quando encontrava-se em Pietrelcina, recebeu em seu corpo a impressão dos sinais da crucifixão de nosso Senhor.
A dor era tão forte que o Vigário, quando soube do ocorrido, dispensou o jovem sacerdote da Missa. Mas Padre Pio não se conformou e foi celebrar numa igrejinha de um bairro distante, que, por estranha coincidência, era a Igreja de São Pio Mártir.

"Cada Santa Missa, quando bem assitida, com fervor e piedade, produz maravilhosos efeitos em nossa alma, nos proporcionando abundantes graças espirituais e materiais como nem poderíamos imaginar. Portanto... não deixem de assistir à Santa Missa" (Pe. Pio).

Contudo, sabe-se que desde o ano de 1910 ele já sofria os estigmas, visíveis apenas como manchas avermelhadas nas palmas das mãos e na planta dos pés.

No dia 05 de agosto de 1918 ocorreu a "transverberação do coração", fenômeno místico, talvez o mais importante da vida de Padre Pio e vivenciado por diversos santos, como, por exemplo, Santa Tereza D´Ávila.
Agiu sempre com simplicidade e tudo fez pela salvação das almas.

"Se as pessoas conhecessem verdadeiramente o valor de uma Missa, seria preciso colocar guardas e soldados na porta das Igrejas, para controlar as multidões que se juntariam!" (Pe. Pio)

"Sou todo de cada um e cada um pode dizer: Padre Pio é meu!"

Padre Pio tinha muitos dons: dom da profecia, da perscrutação de corações, da clarividência, o dom de línguas, de cura, da bilocação, da levitação, da luminosidade, o perfume que emanava de suas chagas.

"Quando se passa por uma imagem de Nossa Senhora, deve-se dizer: eu vos saúdo, ó Maria! Cumprimentai Jesus por mim, com alegria!" (Pe. Pio)

Sua confiança na poderosa intercessão da Virgem Maria, através da reza do Rosário, fazia com que ele sempre repetisse: "O Rosário é uma arma".
Seria impossível calcular quantos Rosários Padre Pio rezava por dia ou noite, pois seus lábios nunca se calavam, suas mãos chagadas nunca se aquietavam. Padre Pio nunca estava sem um Terço ou uma "coroinha" entre os dedos.


Corpo incorruptível de São Frei Pio

Padre Pio celebrou a sua última missa no dia 22 de setembro de 1968; no momento da Consagração, quando elevou a Sagrada Hóstia, suas mãos livres das chagas chamaram a atenção de alguns, pois já podiam ser vistas.
Antes de morrer Padre Pio pediu para confessar-se e renovou os seus votos de profissão religiosa. Logo após a sua morte a cela de Padre Pio foi invadida por intenso perfume de flor de laranjeira, perfume este que foi sentido simultaneamente por todos os seus "filhos espirituais" espalhados pelo mundo inteiro.
Pe. Pio de Pietrelcina foi beatificado 02 de maio de 1999, pelo Papa João Paulo II, tendo sido reconhecida a sua intercessão na cura de Consiglia de Martino e Canonizado no dia 16 de Junho de 2002, também pelo Papa João Paulo II.

São Pio é o santo dos nossos tempos!

Quem quizer ver mais sobre a vida desse santo é clicar aqui: São Pio de Pietrelcina

(Quem é Pe. Pio? de Lilá Sant´Anna)

São Frei Pio de Pietrelcina, rogai por nós!

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

A Reforma da Reforma Litúrgica - Pe. Paulo Ricardo

Nessa conversa o Padre Paulo Ricardo - que desde 2002 foi nomeado pela Santa Sé membro do Conselho Internacional da Catequese (Coincat), da Congregação para o Clero - fala sobre a Reforma ocorrida no Concílio Vaticano II e a reforma que o Papa Bento XVI estaria querendo fazer na liturgia, discorrendo sobre a missa antiga, missa Versus Deum, o latim na Igreja e na Liturgia da Santa Missa, a comunhão na boca e de joelhos.
Para ver o ouvir:


terça-feira, 21 de setembro de 2010

Novena das Rosas!


Dia 01 de outubro a Igreja Católica lembra Santa Teresinha do Menino Jesus.

Do dia 21 a 29 de setembro, a família dos devotos de Santa Teresinha une-se em oração na Novena das Rosas (normalmente essa novena é feita do dia 09 ao 17 de cada mês).

Reza-se durante os nove dias a seguinte oração abaixo:

Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, eu vos agradeço todos os favores, todas as graças com que enriquecestes a alma de vossa serva Santa Teresinha do Menino Jesus, durante os 24 anos que passou na terra e pelos méritos de tão querida Santinha, concedei-me a graça que ardentemente vos peço (pedir a graça...), se for conforme a vossa santíssima vontade e para salvação de minha alma.

Ajudai minha fé e minha esperança, ó Santa Teresinha, cumprindo mais uma vez vossa promessa de que ninguém vos invocaria em vão, fazendo-me ganhar uma rosa, sinal de que alcançarei a graça pedida.

Glória ao Pai... (24 vezes)
Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós!
Ave-Maria... Pai Nosso...

Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós!

São Mateus - 21 de Setembro

Mateus é na verdade aquele conhecedor da Escritura que compreendeu tudo o que diz respeito ao Reino de Deus, e "é como o proprietário que tira do seu tesouro coisas novas e velhas" (Mt 13, 52).
Era homem de certa cultura, arrecadador dos impostos (publicano) em Carfanaum; de formação helenística, parece ter adaptado à índole do grego o seu nome, Levi, de origem hebraica (Mc 2, 14; Lc 5, 27).
É de capital importância a tarefa executada por este discípulo de Jesus na transmissão do Evangelho.
Após a ressurreição foram recolhidos alguns episódios da vida do Senhor, e organizados "discursos" (coletânia de ditos do Senhor) em torno de algumas palavras-chave. Tais elementos do "alegre anúncio" de Cristo podiam servir aos primeiros cristãos, como "complemento" das Leituras do Antigo Testamento que ainda ouviam nas sinagogas.
Mateus, com base também nessas primeiras redações, escreveu em aramaico uma ampla síntese de "palavras" e "gestos" de Jesus, pondo em relevo sua "messianidade" e a posição dos cristãos, isto é, da Igreja, em face da lei e do culto da Antiga Aliança.
O Evangelho de Mateus, tal qual o possuímos agora em grego, sofreu uma influência dos escritos de Marcos e Lucas, conservando, porém, sua fisionomia específica.
É o Evangelho do "Reino de Deus", do "cumprimento" em Cristo da Antiga Aliança.
É o Evangelho das Bem-Aventuranças e do Sermão da Montanha, das parábolas do Reino e do juízo universal.
É o Evangelho da "Igreja", fundada sobre a rocha que é Pedro, e do seu mistério.
A liturgia sempre o utilizou de modo particular. Nada sabemos, além disso, de historicametne certo a respeito do apostolado de Mateus, nem das circustâncias de sua morte ou martírio.

Liturgia

Leitura Ef 4, 1-7.11-13

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios

Irmãos, eu, prisioneiro no Senhor, vos exorto a caminhardes de acordo com a vocação que recebestes. Com toda a humildade e mansidão, suportai-vos uns aos outros com paciência, no amor. Aplicai-vos a guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz. Há um só Corpo e um só Espírito, como também é uma só a esperança à qual fostes chamados. Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, que reina sobre todos, age por meio de todos e permanece em todos. Cada um de nós recebeu a graça na medida em que Cristo lha deu. E foi ele quem instituiu alguns como apóstolos, outros como profetas, outros ainda como evangelistas, outros, enfim, como pastores e mestres. Assim, ele capacitou os santos para o ministério, para edificar o corpo de Cristo, até que cheguemos todos juntos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao estado do homem perfeito e à estatura de Cristo em sua plenitude.

Palavra do Senhor
Graças à Deus

Salmo 18 (19)

R. Seu som ressoa e se espalha em toda a terra.


Os céus proclamam a glória do Senhor,
e o firmamento, a obra de suas mãos;
o dia ao dia transmite esta mensagem,
a noite à noite publica esta notícia. R

Não são discursos nem frases ou palavras,
nem são vozes que possam ser ouvidas;
seu som ressoa e se espalha em toda a terra,
chega aos confins do universo a sua voz. R

Evangelho Mt 9, 9-13
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus


Naquele tempo, Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: "Segue-me!" Ele se levantou e seguiu Jesus.
Enquanto Jesus estava à mesa, em casa de Mateus, vieram muitos cobradores de impostos e pecadores e sentaram-se à mesa com Jesus e seus discípulos. Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos: "Por que vosso mestre come com os cobradores de impostos e pecadores?" Jesus ouviu a pergunta e respondeu: "Aqueles que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. Aprendei, pois, o que significa: ´Quero misericórdia e não sacrifício`. De fato, eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores".

Palavra da Salvação
Glória à vós, Senhor.

(Missal Cotidiano)

São Mateus, rogai por nós!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Santo André Kim Taegón e Paulo Chóng Hasang e seus companheiros - Dia 20 de Setembro


No início do séc. XVII, pelo esforço de alguns leigos, penetrou pela primeira vez a fé cristã na Coréia.
Uma comunidade bem firmada e fervorosa, mesmo sem pastores, foi conduzida e animada praticamente por leigos até o ano de 1836, quando entraram clandestinamente na região os primeiros missionários, provenientes da França.
Nas perseguições de 1839, 1846 e 1866, saíram dessa comunidade 103 santos mártires.
Entre eles sobressaem o primeiro prebístero e ardoroso pastor de almas André Kim Taegón e o grande apóstolo leigo Paulo Chóng Hasang; os demais são, na maioria, leigos, homens e mulheres, casados ou não, velhos, jovens e crianças, que, tendo suportado os suplícios do martírio, consagraram com o precioso sangue os ricos primórdios da Igreja coreana.

Liturgia
Leitura Sb 3, 1-9
Salmo 125
Evangelho Lc 9, 23-26.

(Missal Cotidiano)

Santo André Kim, Santo Paulo Chóng e seus companheiros, rogai por nós!

São Januário - 19 de Setembro


Ontem a Igreja celebrou a memória de São Januário, padroeiro da Igreja de Nápoles a qual dedica extraordinária veneração a ele.
O seu martírio (junto a mais seis pessoas) ocorreu perto de Nápoles.
Cada ano nessa cidade repete-se o "milagre": o sangue do mártir se liquefaz na presença de numerosíssim multidão de fiéis.

Liturgia
Leitura Hb 10, 32-36
Salmo 125
Evangelho Jo 12, 24-26

(Missal Cotidiano)

São Januário, rogai por nós!

sábado, 18 de setembro de 2010

Ajoelhar-se na Missa ajuda a vencer idolatria, explica perito em liturgia

Mulheres rezando de Joelho na Igreja

.

O perito em liturgia e arte sacra, Monsenhor Marco Agostini, assegurou que ajoelhar-se na Missa é uma boa maneira de vencer a idolatria pois é uma resposta do homem à "Epifania de Cristo".

Mons. Agostini, oficial da segunda seção da secretaria de Estado e um dos mestres de cerimônia pontifícios, escreveu no jornal L'Osservatore Romano, que os formosos pavimentos de muitas igrejas antigas foram "feitos para os joelhos dos fiéis" como um "tapete perene de pedras" para a oração e a humildade.

"Hoje os genuflexórios desapareceram em muitas igrejas e se tende a remover os balaustres diante dos quais alguém podia se aproximar da comunhão de joelhos", sustenta o perito segundo uma tradução do texto divulgada pelo vaticanista Sandro Magister.

Genuflexório apropriado para receber a Santa Comunhão de Joelhos

Banco de Igreja com local apropriado para ajoelhar-se durante a Santa Missa e para rezar

"Entretanto no Novo Testamento o gesto de ajoelhar-se apresenta cada vez que se apresenta a divindade de Cristo a alguém: pense-se por exemplo nos Magos, o cego de nascimento, a unção de Betânia, a Madalena no jardim na manhã de Páscoa"
, acrescenta Mons. Agostini.

O perito recorda que "Jesus mesmo disse a Satanás, que queria impor-lhe uma genuflexão equivocada, pois só a Deus se deve dobrar o joelho. Satanás pede ainda hoje que se escolha entre Deus ou o poder, Deus ou a riqueza, e trata ainda mais profundamente. Mas assim não se dará glória a Deus de maneira nenhuma; os joelhos se dobrarão para aqueles que o poder lhes favoreceu, para aqueles aos quais se tem o coração unido através de um ato".

"Voltar a ajoelhar-se na Missa é um bom exercício de treinamento para vencer a idolatria na vida, além de ser um dos modos da ‘actuosa participatio’ dos que fala o último Concílio. A prática é útil também para perceber a beleza dos pavimentos (ao menos dos antigos) de nossas igrejas. Frente a alguns dá vontade de tirar os sapatos como fez Moisés diante de Deus que lhe falava da sarça ardente", assinala.

Para Magister, "ajoelhar-se hoje –especialmente sobre o piso– caiu em desuso. Tanto é assim que suscita surpresa o desejo de Bento XVI de dar a comunhão aos fiéis na boca e de joelhos".


"Mas mais que de uma novidade, se trata de um retorno à tradição. As outras são o crucifixo ao centro do altar, ‘para que todos na missa olhem para Cristo e não para uns aos outros’, e o uso freqüente do latim ‘para sublinhar a universalidade da fé e a continuidade da Igreja’"
, explica Magister.

O vaticanista sustenta que "perdeu-se de vista também o sentido da pavimentação das igrejas. Tradicionalmente muitas delas foram ornamentadas precisamente para servir de fundamento e guia à grandeza e profundidade dos mistérios celebrados".

"Hoje poucos são os que advertem que pavimentos tão formosos e preciosos são feitos também para os joelhos dos fiéis: um tapete de pedra sobre o qual prostrar-se diante do esplendor da epifania divina", acrescenta.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A Moda na Igreja Católica - D. Ivone Fedeli


Procissão de Corpus Christi, em 2008, no Instituto Bom Pastor em São Paulo e meninas de véu

Ouvi hoje uma entrevista com D. Ivone Fedeli sobre a moda na Igreja católica e gostei muito!

Para ouvir clique aqui.

Ela fala sobre a a Moda na Igreja Católica, o Uso do Véu e a mensagem de Nossa Senhora em Fátima!


Por que não Bater Palmas na Santa Missa?

NOTA DE ESCLARECIMENTO A RESPEITO DO GESTO DE BATER PALMAS NA SANTA MISSA

Considerando que o gesto de bater palmas na Missa tornou-se em vários lugares exagerado, gerando desconforto, perplexidade e ainda não poucas dificuldades para propiciar um clima de recolhimento como deve ser o da Celebração Eucarística.

Preocupados com versões alarmantes e distorcidas de que este gesto teria sido proibido, já pelo Papa ou pelo Arcebispo; oferecemos as seguintes pontualizações para a reflexão:

1) Não se trata de proibir mas de restringir o uso do gesto das palmas na Missa, uma vez que elas não são reconhecidas como um sinal litúrgicos pelo ritual e também não se compatibilizam com a natureza sacrifical da Missa, que como sabemos é renovação incruenta da paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, memorial da nossa salvação.

2) O Papa Bento XVI, na Carta Apostólica Sacramentum Caritatis, expõe com muita clareza a dinâmica da espiritualidade eucarística em três momentos: acreditar, celebrar, vivenciar. Por isso os gestos devem expressar o que acreditamos, celebrar a nossa fé seguindo o critério Lex orandi, Lex credendi.

Determinamos as seguintes orientações:

Que o uso de bater palmas fique reduzido aos momentos de louvor da Santa Missa: o Glória e o Santo.

Que no tempo da Quaresma fique totalmente supresso o gesto de bater palmas.

Que as equipes de liturgia possam refletir e ajudem o Povo de Deus a entender estas orientações, facilitando a sua observância.

Lembrando que a Santa Missa é patrimônio espiritual de todos a serviço da Glória de Deus e santificação das pessoas, suplicamos as bênçãos de Deus para todas as Comunidades Arquidiocesanas.

Niterói, 09 de setembro de 2010

+Dom Frei Alano Maria Pena, OP

Arcebispo Metropolitano de Niterói

Dom Roberto Francisco Ferrería Paz

Bispo Auxiliar de Niterói


(http://www.arquidioceseniteroi.org.br/informativos.asp?id=17409)


A Palavra de Dom Roberto...

Primeiramente porque não existe o gesto litúrgico de bater palmas, a única referência que a CNBB autoriza como facultativo é no rito de ordenação depois de ser aceito o candidato, que como podemos apreciar não é um contexto celebrativo.

Porque não se adequa a teologia da Missa que conforme a Carta Apostólica Domenica Caena de João Paulo II do 24/02/1980, exige respeito a sacralidade e sacrificialidade do mistério eucarístico: “0 mistério eucarístico disjunto da própria natureza sacrifical e sacramental deixa simplesmente de ser tal”. Superando as visões secularistas que reduzem a eucaristia a uma ceia fraterna ou uma festa profana. Nossa Senhora e São João ao pé da cruz no Calvário, certamente não estavam batendo palmas.

Porque bater palmas é um gesto que dispersa e distrai das finalidades da missa gerando um clima emocional que faz passar a assembléia de povo sacerdotal orante a massa de torcedores, inviabilizando o recolhimento interior.

Porque o gesto de bater palmas olvida e esquece duas importantes observações do então Cardeal Joseph Raztinger sobre os desvios da Iiturgia : “A liturgia não é um show, um espetáculo que necessite de diretores geniais e de atores de talento. A liturgia não vive de surpresas simpáticas, de invenções cativantes, mas de repetições solenes. Não deve exprimir a atualidade e o seu efêmero, mas o mistério do Sagrado. Muitos pensaram e disseram que a Iiturgia deve ser feita por toda comunidade para ser realmente sua. É um modo de ver que levou a avaliar o seu sucesso em termos de eficácia espetacular, de entretenimento. Desse modo, porém , terminou por dispersar o propium litúrgico que não deriva daquilo que nós fazemos, mas, do fato que acontece. Algo que nós todos juntos não podemos, de modo algum, fazer. Na liturgia age uma força, um poder que nem mesmo a Igreja inteira pode atribuir-se : o que nela se manifesta e o absolutamente Outro que, através da comunidade chega até nós. Isto é, surgiu a impressão de que só haveria uma participação ativa onde houvesse uma atividade externa verificável : discursos, palavras, cantos, homilias, leituras, apertos de mão .... Mas ficou no esquecimento que o Concílio inclui na actuosa participatio também o silêncio, que permite uma participação realmente profunda, pessoal, possibilitando a escuta interior da Palavra do Senhor. Ora desse silêncio , em certos ritos, não sobrou nenhum vestígio".

Finalmente porque sendo a Iiturgia um Bem de todos, temos o direito a encontrarmos a Deus nela, o direito a uma celebração harmoniosa, equilibrada e sóbria que nos revele a beleza eterna do Deus Santo, superando tentativas de reduzi-Ia a banalidade e a mediocridade de eventos de auditório.

+ Dom Roberto Francisco Ferrería Paz

Bispo Auxiliar de Niterói


(http://www.arquidioceseniteroi.org.br/ e http://www.arquidioceseniteroi.org.br/interna.asp?id=298)

São Roberto Belarmino - 17 de Setembro


Roberto Belarmino nasceu em Sena e entrou na Companhia de Jesus aos dezoito anos; tornou-se professor de teologia, conselheiro de vários papas, provincial dos jesuítas, cardeal e arcebispo.
Sabia colocar-se no nível do povo, admirava a simplicidade de homem tão douto.
Distinguiu-se sobretudo nas pequenas controvérsias doutrinais com os luteranos e calvinistas. Preparou um "pequeno catecismo", eco das polêmicas do século XVII, usado depois do ensino da doutrina cristã até os nossos tempos.
A obra catequética de Roberto Belarmino e a importância que teve na formação das gerações cristãs lhe mereceram o título de Doutor da Igreja.

Liturgia

Leitura Sb 7, 7-10
Salmo 18
Evangelho Mt 7, 21-29

(Missal Cotidiano)

São Roberto Belarmino, rogai por nós!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

São Cornélio, papa e São Cipriano - 16 de Setembro

Cornélio, governou a Igreja de Roma de 251 a 253 entre as dificuldades causadas pela perseguição de Décio. Com longanimidade evangélica tomou uma atitude branda em relação àqueles que não tinham corajosamente confessado a fé (lapsos, caídos).
Contra ele formou-se um cisma, mas Cipriano colocou-se ao lado de Cornélio.
O papa exilado, morreu em junho de 253.



Cipriano, famoso orador, convertido a Cristo aos trinta e cinco anos, em 249 foi eleito bispo de sua cidade e pôs-se fervorosamente a organizar a Igreja da África.
Foi grande mestre de moral cristã. Seus escritos, especialmente as cartas, são preciosa documentação sobre a fé e o culto no século III. Com Tertuliano, criou o latim cristão.
A liturgia, unindo no culto Cornélio e Cipriano, lembra-nos os estreitos vínculos que uniam as Igrejas nos primeiros séculos. À África cristã devemos provavelmente as primeiras versões da Bíblia em latim, quando Roma a usava ainda em grego.
O epistolário dos dois santos evidencia a extraordinária consonância de idéias entre Roma e Cartago. Em particular, surge luminosamente clara a concepção de "Igreja" construída pela Eucaristia.
Liturgia
Leitura 2 Cor 4, 7-15
Salmo 125
Evangelho Jo 17, 11b-19
(Missal Cotidiano)
São Cornélio e São Cipriano, rogai por nós!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Nossa Senhora das Dores - 15 de Setembro

Pietà

A devoção às dores de Maria foi a princípio mais popular do que litúrgica, difundida particularmente pelos Servitas e os Passionistas.
Foi o Papa Pio VII que introduziu na liturgia a celebração das dores de Maria.
A participação dolorosa da Mãe do Salvador em sua obra de salvação (Lc 2, 33-35) é atestada na hora da cruz por João, que a recebeu por Mãe (Jo 19, 25-27).
Atualmente, esta Memória se concentra melhor sobre ela e sobre o sacrifício de Cristo que ela própria oferece com ele ao Pai.

Liturgia

Leitura Hb 5, 7-9

Leitura da Carta aos Hebreus
Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido, por causa de sua entrega a Deus. Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo que ele sofreu. Mas na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para os que lhe obedecem.
Palavra do Senhor.
Graças à Deus.

Salmo 30(31)


R. Salvai-me pela vossa compaixão, ó Senhor Deus!


Senhor, eu ponho em vós minha esperança;
que eu não fique envergonhado eternamente!
Porque sois justo, defendei-me e libertai-me
apressai-vos, ó Senhor, em socorrer-me! R

Sede uma rocha proterora para mim,
um abrigo bem seguro que me salve!
Sim, sois vós a minha rocha e fortaleza;
por vossa honra orientai-me e conduzi-me! R

Retirai-me desta rede traiçoeira,
porque sois o meu regúgio protetor!
Em vossas mãos, Senhor, entrego meu espírito,
porque vós me salvareis, ó Deus fiel! R

A vós porém, ó meu Senhor, eu me confio,
e afirmo que só vós sois o meu Deus!
Eu entrego em vossas mãos o meu destino;
libertai-me do inimigo e do opressor! R

Como é grande, ó Senhor, vossa bondade,
que reservastes para aqueles que vos temem!
Para aqueles que em vós se refugiam,
mostrando, assim, o vosso amor perante os homens. R

Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma"

Sequência
(facultativa)

De pé a Mãe dolorosa, junto da Cruz, lacrimosa, via Jesus que pendia.
No coração transpassado sentia o gládio enterrado de uma cruel profecia.
Mãe entre todas bendita, do Filho único aflita, a imensa dor assistia.

E, suspirando, chorava, e da cruz não se afastava, ao ver que o Filho morria.

Pobre mãe tão desolada, ao vê-la assim transpassada, quem de dor não choraria?

Quem na terra há que resista, se a mãe assim se contrista ante uma tal agonia?

Para salvar sua gente, eis que seu Filho inocente suor e sangue vertia.
Na cruz por seu Pai chamando, vai a cabeça inclinando, enquanto escurece o dia.

Faze, ó Mãe, fonte de amor, que eu sinta em mim tua dor, para contigo chorar. Faze arder meu coração, partilhar tua paixão e teu Jesus consolar.
Ó Santa Mãe, por favor, faze que as chagas do amor em mim se venham gravar.

O que Jesus padeceu venha a sofrer também eu, causa de tanto penar.

Ó dá-me, enquanto viver, com Jesus Cristo sofrer, contigo sempre chorar!

Quero ficar junto à cruz, velar contigo a Jesus, e o teu pranto enxugar.

Virgem Mãe tão Santa e pura, vendo eu a tua amargura, possa contigo chorar.

Que do Cristo eu traga a morte, sua paixão me conforte, sua cruz possa abraçar!

Em sangue as chagas me lavem e no meu peito se gravem, para não mais se apagar.

No julgamento consegue que às chamas não seja entregue quem soube em te se abrigar.
Que a Santa cruz me proteja, que eu vença a dura peleja, possa do mal triunfar!

Vindo, ó Jesus, minha hora, por essas dores de agora, no céu mereça um lugar.

Evangelho Lc 2, 33-35 (ou Jo 19, 25-27)
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas

Naquele tempo, o pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: "Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma"
Palavra da Salvação
Glória a vós, Senhor!

(Missal Cotidiano)

Nossa Senhora das Dores, rogai por nós!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Novena a São Pio de Pietrelcina


De 1918 a 1968, ano de sua morte, os estigmas o fizeram sofrer muito. Tudo suportava pela salvação das almas. Unia suas dores às de Jesus na cruz, por amor.
Sofreu insultos, calúnias, foi investigado, até proibido de celebrar Missas para os fiéis. Os médicos realizaram exames em suas chagas e disseram que se tratavam de algo sobrenatural.

Padre Pio buscava no apostolado da Cruz de Nosso Senhor toda a força e a sabedoria para viver a sua missão. Compreendeu desde o início o seu caminho de Cruz e o aceitou imediatamente como vontade de Deus. Por amor, levou sua cruz ao longo da vida.

Suportou com serenidade o sofrimento causado pelas chagas. Respondeu com silêncio às afrontas que lhe faziam, recorrendo à mortificação e às longas horas de oração. (Do Devocionário a São Pio de Pietrelcina)

Dia 23 de Setembro é lembrado esse amado Santo. Quem quiser pode fazer a Novena a São Pio de Pietrelcina que começa hoje (14 de setembro)

Primeiro Dia (14/09)
Amado São Pio de Pietrelcina, que trouxeste no teu corpo os sinais da paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo. Tu que carregaste a Cruz por todos nós, suportando os sofrimentos físicos e morais que flagelavam a alma e o corpo em um martírio contínuo, intercede junto a Deus a fim de que cada um de nós saiba aceitar as pequenas e as grandes cruzes da vida, transformando cada sofrimento em um seguro vínculo que nos liga à vida eterna.

"Convém acostumar-se com os padecimentos, que agradará a Jesus mandar-vos. O Senhor que não pode sofrer de manter-vos em aflição, virá a solicitar-vos e a conforta-vos com o infundir no vosso espírito nova coragem".
Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus

COROA AO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

1 - Ó meu Jesus, que dissestes: "Em verdade vos digo, pedi e recebereis, procurai e achareis, batei e ser-vos-á dado!" Eis que bato, procuro e peço a graça... Pai Nosso, Ave Maria e Glória.
Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!
2 - Ó meu Jesus, que dissestes: "Em verdade, vos digo, qualquer coisa que pedis ao meu Pai em meu nome, Ele vo-lo concederá!" Eis que ao Vosso Pai, em Vosso nome, eu vos peço a graça... Pai Nosso, Ave Maria e Glória. Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!
3 - Ó meu Jesus, que dissestes: "Em verdade, vos digo, passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão!" Eis que, apoiado na infalibilidade das Vossas santas palavras, eu Vos peço a graça... Pai Nosso, Ave Maria e Glória. Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!
Oração: Ó Sagrado Coração de Jesus, a quem uma única coisa é impossível, isto é, a de não ter compaixão dos infelizes, tende piedade de nós, míseros pecadores, e concedei-nos as graças que Vos pedimos por intermédio do Coração Imaculado da Vossa e nossa terna Mãe. São José, Amigo do Sagrado Coração de Jesus, rogai por nós.

Rezar a Salve Rainha.

Segundo dia (15/09)
São Pio de Pietrelcina, que junto Nosso Senhor Jesus Cristo, soubeste resistir as tentações do maligno. Tu que sofreste os golpes e as vexações dos demônios que queriam levar-te a abandonar a tua estrada de santidade, intercede junto ao Altíssimo a fim de que também nós, com o teu auxílio e com aquele de todo o paraíso, encontremos a força para renunciar o pecado e conservar a fé até o dia de nossa morte.

"Tenha ânimo e não temas as obscuras iras de Lúcifer. Lembra-te para sempre disto: 'Que é bom sinal quando o inimigo faz barulho e ruge em torno de tua vontade - uma vez que isto demonstra que ele não está dentro'". Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus
Rezar a Salve Rainha.


Terceiro dia (16/09)
Virtuoso São Pio de Pietrelcina: que tanto amaste a Mãe Celeste ao ponto dela receber cotidianas graças e consolações, intercede por nós junto da Virgem Santa depondo nas tuas mãos os nossos pecados e as nossas frias orações, a fim de que assim em como em Cana de Galiléia, o Filho diga sim a Mãe e o nosso nome ser escrito no livro da vida.

"Maria seja a estrela, que vos aclare o caminho, mostre os a via segura para ir ao Pai Celeste; ela seja como ancora a qual deveis sempre mais estreitamente unir-vos no tempo da prova" . Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus
Rezar a Salve Rainha.


Quarto dia (17/09)
Casto São Pio de Pietrelcina, que tanto amastes o teu Anjo da Guarda, o qual te guiava, defendia e era o teu mensageiro. A ti as figuras angélicas levaram as preces dos teus filhos espirituais. Intercede junto ao Senhor, a fim de que também nós aprendamos a servir-nos do nosso anjo do Anjo da Guarda, que por toda a nossa vida está pronto a sugerir-nos o caminho do bem e dissuadir-nos da realização do mau.

"Invoca o teu Anjo da Guarda, que ele te iluminará e conduzirá. O Senhor colocou-o perto de ti precisamente para isto.Por isso, serve-te dele". Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus
Rezar a Salve Rainha.

Quinto dia (18/09)
Prudente São Pio de Pietrelcina, que nutriste uma grandíssima devoção pelas almas do purgatório, pelas quais te ofereceste como vítima expiatória, roga ao Senhor a fim de que infunda em nós o sentimento de compaixão e de amor que tu tinhas por estas almas, de modo de que nós também consigamos reduzir os seu tempo de exílio, buscando ganhar para elas, com o sacrifícios e orações, a santas indulgências que lhe são necessárias.

"Vós Senhor, suplico-te de quer derramar sobre mim os castigos que estão preparados aos pecadores e as almas do purgatório; multiplicai-os da mesma forma sobre mim, desde que convertas e salves os pecadores e livres logo as almas do purgatório". Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus
Rezar a Salve Rainha.


Sexto dia (19/09)
Obediente São Pio de Pietrelcina, tu amastes aos enfermos mais do que a ti mesmo vendo neles Jesus. Tu que em nome do Senhor operaste milagres de curas no corpo, devolvendo a esperança de uma vida e renovamento no Espírito. Roga a Senhor a fim de que todos os enfermos, por intercessão de Maria Santíssima, possam experimentar teu potente patrocínio e através da cura corporal possam tirar vantagens espirituais para agradecer e louvar o Senhor Deus eternamente.

"Se depois eu sei que uma pessoa está aflita, seja na alma ou no corpo, o que eu não faria junto do Senhor para vê-la livres dos seus males? Com prazer me carregaria para vê-la salva de todas as suas aflições, cedendo em seu favor os frutos de tais sofrimentos, se o Senhor mo permitisse". Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus
Rezar a Salve Rainha.


Sétimo dia (20/09)
Bendito São Pio de Pietrelcina, tu que aderiste ao projeto de salvação do Senhor oferecendo teus sofrimentos para desligar os pecadores dos laços de satanás, intercede junto a Deus a fim de que os que não crêem tenham a fé e se convertam. Os pecadores se arrependam do fundo do coração, os tíbios, se afervorem na sua vida crista e os justos perseverem no caminho da salvação.

"Se a pobre alma pudesse ver a beleza da alma na graça, todos os pecados, todos os incrédulos se converteriam no mesmo instante". Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus
Rezar a Salve Rainha.


Oitavo dia (21/09)
Puro São Pio de Pietrelcina, que tanto amaste os teus filhos espirituais, muitos dos quais conquistaste a Cristo a preço do teu sangue, concede também a nós que não te conhecemos pessoalmente, considerarmos teus filhos espirituais, assim que com a tua paterna proteção, com a sua santa guia, e com a força que obterás do Senhor para nós, poderemos, no momento da morte, encontrar-te as portas do Paraíso na espera da nossa chegada.

"Se me fosse possível, quereria obter do Senhor somente uma coisa; quereria ser me dissesse: 'vá ao Paraíso', quereria obter esta graça:'Senhor, não me deixes ir ao Paraíso até que o último de meus filhos, a última das pessoas confiadas aos meus cuidados sacerdotais não tenha entrado antes de mim'". Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus
Rezar a Salve Rainha.


Nono dia (22/09)
Humilde Padre Pio de Pietrelcina, que tanto amaste a santa madre Igreja intercede junto ao Senhor a fim de que mande operário para sua messe e dê a cada um deles a força e inspiração dos filhos de Deus. Pedimos-te alem disto, que intercedas junto da Virgem Maria, a fim de que guie os homens em direção da unidade dos cristãos, recolhendo-os em uma única grande casa, a qual seja o farol de salvação no mar de tempestade que é a vida.

"Permaneça sempre agarrado a Santa Igreja católica, porque só ela te pode dar a verdadeira paz, porque só ela possui Jesus Sacramentado que o verdadeiro Príncipe da Paz". Padre Pio

Rezar a Coroa do Sagrado Coração de Jesus
Rezar a Salve Rainha.

(Canção Nova)

Festa da Exaltação da Santa Cruz - 14 de Setembro

"Contemplarão aquele que transpassaram"

Os orientais celebram hoje a Cruz com uma solenidade comparável à da Páscoa.
O imperador Constantino havia mandado construir em Jerusalém uma basílica no Gólgota e outra no Sepulcro do Cristo Ressuscitado. A dedicação dessas basílicas se realizou a 13 de setembro de 335. No dia seguinte se lembrava ao povo o significado profundo das duas igrejas, mostrando o que restava do lenho da Cruz do Salvador. Deste uso teve origem a celebração do dia 14 de setembro, que encontramos também em Roma pelo seculo VII.
Nesse aniversário se acrescentou mais tarde a lembrança da vitória de Heráclio sobre os persas (630), dos quais o imperador arrebatou as relíquias da Cruz, que foram solenemente levadas a Jerusalém. Desde então, a Igreja celebra nesse dia o triunfo da Cruz.
O uso litúrgico, que requer a Cruz próxima do altar quando se celebra a Santa Missa, representa uma evocação da figura bíblica da serpente de bronze que Moisés elevou no deserto; olhando-a os hebreus mordidos pelas serpentes, eram curados. Em sua narrativa da Paixão, devia João ter presente o simbolismo profundo deste grande "tipo": "Contemplarão aquele que transpassaram" (Zc 12, 20; Jo 19,37).

Liturgia

Primeira Leitura Nm 21, 4b-9
Leitura do Livro dos Números
Naqueles dias, durante a viagem o povo começou a impacientar-se, e se pôs a falar contra Deus e contra Moisés, dizendo: "Por que nos fizeste sair do Egito para morrermos no deserto? Não há pão, falta água, e já estamos com nojo desse alimento miserável". Então o Senhor mandou contra o povo serpentes venenosas, que os mordiam; e morreu muita gente em Israel.
O povo foi ter com Moisés e disse: "Pecamos, falamos contra o Senhor e contra ti. Roga ao Senhor que afaste de nós as serpentes". Moisés intercedeu pelo povo, e o Senhor respondeu: "Faze uma serpente abrasadora e coloca-a como sinal sobre uma haste; aquele que for mordido e olhar para ela viverá". Moisés fez, pois, uma serpente de bronze e colocou-a como sinal sobre uma haste. Quando alguém era mordido por uma serpente, e olhava para a serpente de bronze, ficava curado.
Palavra do Senhor
Graças à Deus!

Salmo 77 (78)

R. Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!


Escuta, ó meu povo, a minha Lei,
ouve atento as palavras que eu te digo;
abrirei a minha boca em parábolas,
os mistérios do passado lembrarei. R

Quando os feria, eles então o procuravam,
convertiam-se correndo para ele;
recordavam que o Senhor é sua rocha
e que Deus, seu Redentor, é o Deus Altíssimo. R

Mas apenas o honravam com seus lábios
e mentiam ao Senhor com suas línguas;
seus corações enganadores eram falsos
e, infiéis, eles rompiam a Aliança. R

Mas o Senhor, sempre benigno e compassivo,
não os matava e perdoava seu pecado;
quantas vezes dominou a sua ira
e não deu largas à vazão de seu furor. R

Segunda Leitura Fl 2, 6-11
Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses
Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, mas ele esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens.
Encontrado com aspecto humano, humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz.
Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo nome. Assim, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, e toda língua proclame: "Jesus Cristo é o Senhor" - para a glória de Deus Pai.
Palavra do Senhor
Graças à Deus!

Evangelho Jo 3, 13-17
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João
Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: "Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna. Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele".
Palavra da Salvação
Glória a vós, Senhor!

(Missal Cotidiano)

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

São João Crisóstomo - Dia 13 de Setembro


Antusa, viúva aos vinte anos, educou admiravelmente seu filho João. Este, a princípio, levou em casa uma vida ascética, ao mesmo tempo que aprofundava sua cultura. Foi depois anacoreta por vários anos, sobre as montanhas, mas a saúde frágil fê-lo retornar a Antioquia. Ordenado sacerdote aos trinta e dois anos, foi o braço direito do bispo São Flaviano e revelou-se formidável orador.
Eleito patriarca de Constantinopla, deu-se totalmente ao serviço de seu povo e da Igreja. Simples, modesto, jovial, porém forte contra o vício e o luxo, tudo dava aos pobres. Não poupou os desregramentos da corte imperial, atraindo feroz oposição, Foi caluniado e exilado; morreu em Comana, no mar Negro, quando o deportavam para lugar mais áspero.
Foi grande mestre espiritual e pastor exemplar.
Como orador, foi cognominado "Crisóstomo" (boca de ouro).
Os volumes que deixou são a mais vasta produção dos padres gregos.



Combateu o erro de seus contemporâneos.
É o primeiro dos quatro grandes Doutores orientais.
João Crisóstomo é chamado "Doutor da Eucaristia" pela vastidão e riqueza de sua doutrina sobre o Sacramento do Corpo e Sangue de Cristo. Uma "anáfora" que traz o seu nome (sem ser diretamente sua) é a mais difundida no Oriente entre católicos e ortodoxos. É um elemento de união de grandíssima importância.

Liturgia
Leitura Ef 4, 1-7
Salmo 39
Evangelho Mc 4, 1-10.

(Missal Cotidiano)

São João Crisóstomo, rogai por nós!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Discurso de Bento XVI aos Bispos do Regional Nordeste 3


Bollettino della Sala Stampa della Santa Sede


Senhor Cardeal,
Amados Arcebispos e Bispos do Brasil,


Saúdo calorosamente a todos vós, por ocasião da vossa visita ad Limina a Roma, aonde viestes reforçar os vossos vínculos de comunhão fraterna com o Sucessor de Pedro e por ele serdes animados na condução do rebanho de Cristo. Agradeço as amáveis palavras que Dom Czeslaw Stanula, Bispo de Itabuna, dirigiu-me em vosso nome, e vos asseguro as minhas orações pelas vossas intenções e pelo amado povo nordestino, do vosso Regional Nordeste 3.

Há mais de cinco séculos, justamente na vossa região, celebrava-se a primeira Missa no Brasil, tornando realmente presente o Corpo e o Sangue de Cristo para a santificação dos homens e das mulheres desta bendita nação que nasceu sob os auspícios da Santa Cruz. Era a primeira vez que o Evangelho de Cristo vinha a ser proclamado a este povo, iluminando a sua vida diária. Esta ação evangelizadora da Igreja Católica foi e continua sendo fundamental na constituição da identidade do povo brasileiro caracterizada pela convivência harmônica entre pessoas vindas de diferentes regiões e culturas. Porém, ainda que os valores da fé católica tenham moldado o coração e o espírito brasileiros, hoje se observa uma crescente influência de novos elementos na sociedade, que há algumas décadas eram-lhe praticamente alheios. Isso provoca um consistente abandono de muitos católicos da vida eclesial ou mesmo da Igreja, enquanto no panorama religioso do Brasil, assiste-se à rápida expansão de comunidades evangélicas e neo-pentecostais.

Em certo sentido, as razões que estão na raiz do êxito destes grupos são um sinal da difundida sede de Deus entre o vosso povo. É também um indício de uma evangelização, a nível pessoal, às vezes superficial; de fato, os batizados não suficientemente evangelizados são facilmente influenciáveis, pois possuem uma fé fragilizada e muitas vezes baseada num devocionismo ingênuo, embora, como disse, conservem uma religiosidade inata. Diante deste quadro emerge, por um lado, a clara necessidade que a Igreja católica no Brasil se empenhe numa nova evangelização que não poupe esforços na busca de católicos afastados bem como daquelas pessoas que pouco ou nada conhecem sobre a mensagem evangélica, conduzindo-os a um encontro pessoal com Jesus Cristo, vivo e operante na sua Igreja. Por outro lado, com o crescimento de novos grupos que se dizem seguidores de Cristo, ainda que divididos em diversas comunidades e confissões, faz-se mais imperioso, da parte dos pastores católicos, o compromisso de estabelecer pontes de contato através de um sadio diálogo ecumênico na verdade.

Tal esforço é necessário, antes de qualquer coisa, porque a divisão entre os cristãos está em contraste com a vontade do Senhor de que "todos sejam um" (Jo 17,21). Além disso, a falta de unidade é causa de escândalo que acaba por minar a credibilidade da mensagem cristã proclamada na sociedade. E hoje, a sua proclamação é talvez ainda mais necessária do que há alguns anos atrás, pois, como bem demonstram os vossos relatórios, mesmo nas pequenas cidades do interior do Brasil, observa-se uma crescente influência negativa do relativismo intelectual e moral na vida das pessoas.

Não são poucos os obstáculos que a busca da unidade dos cristãos tem por diante. Primeiramente, deve-se rejeitar uma visão errônea do ecumenismo, que induz a um certo indiferentismo doutrinal que procura nivelar, num irenismo acrítico, todas as "opiniões" numa espécie de relativismo eclesiológico. Paralelamente a isto está o desafio da multiplicação incessante de novos grupos cristãos, alguns deles fazendo uso de um proselitismo agressivo, o que mostra como a paisagem do ecumenismo seja ainda muito diferenciada e confusa. Em tal contexto - como afirmei em 2007, na Catedral da Sé em São Paulo, no inesquecível encontro que tive convosco, bispos brasileiros – "é indispensável uma boa formação histórica e doutrinal, que habilite ao necessário discernimento e ajude a entender a identidade específica de cada uma das comunidades, os elementos que dividem e aqueles que ajudam no caminho da construção da unidade. O grande campo comum de colaboração devia ser a defesa dos fundamentais valores morais, transmitidos pela tradição bíblica, contra a sua destruição numa cultura relativista e consumista; mais ainda, a fé em Deus criador e em Jesus Cristo, seu Filho encarnado" (n. 6). Por essa razão, incentivo-vos a prosseguir dando passos positivos nesta direção, como é o caso do diálogo com as igrejas e comunidades eclesiais pertencentes ao Conselho Nacional das Igrejas Cristãs, que com iniciativas como a Campanha da Fraternidade Ecumênica ajudam a promover os valores do Evangelho na sociedade brasileira.

Prezados irmãos, o diálogo entre os cristãos é um imperativo do tempo presente e uma opção irreversível da Igreja. Entretanto, como lembra o Concílio Vaticano II, o coração de todos os esforços em prol da unidade há de ser a oração, a conversão e a santificação da vida (cf. Unitatis redintegratio, 8). É o Senhor quem doa a unidade, esta não é uma criação dos homens; aos pastores lhes corresponde a obediência à vontade do Senhor, promovendo iniciativas concretas, livres de qualquer reducionismo conformista, mas realizadas com sinceridade e realismo, com paciência e perseverança que brotam da fé na ação providencial do Espírito Santo.

Queridos e venerados irmãos, procurei evidenciar brevemente neste nosso encontro alguns aspectos do grande desafio do ecumenismo confiado à vossa solicitude apostólica. Ao despedir-me de vós, reafirmo uma vez mais a minha estima e a certeza das minhas orações por todos vós e pelas vossas dioceses. De modo particular, quero aqui renovar a expressão da minha solidariedade paterna aos fiéis da diocese de Barreiras, recentemente privados da guia do seu primeiro e zeloso pastor Dom Ricardo José Weberberger, que partiu para a casa do Pai, meta dos passos de todos nós. Que repouse em paz! Invocando a intercessão de Nossa Senhora Aparecida, concedo a cada um de vós, aos sacerdotes, aos religiosos, às religiosas, aos seminaristas, aos catequistas e a todo povo a vós confiado uma afetuosa Bênção Apostólica.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...